quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Capítulo 2 - So Close Yet So Far


Assim que eu acordei, com um gosto horrível na boca e cheirando a álcool, me encontrei deitada, ou melhor, esparramada em uma cama estranha em um quarto estranho, que eu nunca tinha visto na vida, ou pelo menos não lembrava de ter visto. Era uma cama de casal enorme, o quarto estava escuro por conta das cortinas fechadas, muitos quadros nas paredes com molduras lindas e uma decoração suavemente antiga. Eu estava totalmente torta na cama. Tentei levantar a cabeça, péssima ideia, parecia que eu tinha sido pisoteada por centenas de elefantes. Me deitei novamente e fiquei com os olhos fechados tentando lembrar de algo da noite passada. Infelizmente, era tudo um clarão na minha cabeça, e ela estava doendo de um jeito que eu nunca tinha sentido. Ressaca, então essa é a sensação, posso garantir que não é nada bom.
Fui me recompondo aos poucos e consegui me sentar na ponta da cama e observar melhor tudo que tinha à minha volta. Mas antes disso, eu recuperei minha consciência, e me lembrei a minha real situação... Eu estava em uma casa de estranhos, de ressaca, sozinha, minha mãe achava que eu estava na casa da minha melhor amiga...
Pensando nela, Miley deveria ter sentido falta de mim. Imediatamente comecei a procurar pelo meu celular, mas ele não estava ali, nem a minha bolsa, nem o... MEU VESTIDO? Demorei até demais pra perceber que eu usava somente minhas roupas de baixo e me enfiei embaixo das cobertas da cama desesperadamente rápido. Fechei os olhos procurando por qualquer memória da noite anterior que pudesse me ajudar a entender alguma coisa. Me lembrei de ter entrado na festa do Chad com a Miley, decidi beber alguns copinhos de vodkae depois puff... apagou tudo.
Enquanto eu filosofava sobre a burrada que fiz, alguém abriu a porta do quarto e eu quase cai da cama com o susto.
- SAI SAI SAI! EU TO SEM ROUPA! - Gritei mesmo sem ter visto quem era.
- Nada que eu já não tenha visto. - Respondeu uma voz grossa com um tom de risada.
Totalmente coberta com o cobertor, olhei pro cara alto e loiro, com olhos profundamente azuis parado em frente a cama olhando e rindo da minha cara. O idiota e dono da festa, Chad.
- O que você quer dizer com isso? - Eu perguntei brava e preocupada ao mesmo tempo.
- Que quando eu encontro uma menina quase nua na minha cama, não vou deixar de ficar olhando. - Ele continuava rindo.
- Só olhando certo?
- Você nunca saberá se eu toquei ou não.
- Você é um idiota, e eu sei que eu não transaria com um idiota, nem bêbada. - Eu disse revirando os olhos e tentando fingir que estava confiante. - O que aconteceu, e porque eu to aqui?
- Bom, eu esperava que você pudesse me dizer, já que eu nem sei quem você é.
- Bom, eu não lembro.
- Olha, o que eu sei é que eu tava lá na festa, vim até o meu quarto trocar de blusa porque derrubaram vodka em mim, encontrei você e um outro cara deitados ai...
- Outro cara? - Eu o interrompi alarmada. - Que outro cara? Quem era? Fazendo o que?
- Não faço ideia de quem era, pelo jeito muita gente entrou de penetra ontem a noite, incluindo você. Vocês estavam dormindo ai todos tortos e seminus. - Ele disse e começou a rir, provavelmente da minha cara de terror.
- E o que aconteceu com o cara?
- Sei lá, deve ter ido embora quando eu tava dormindo no sofá.
- E a minha amiga, a que tava comigo, simplesmente foi embora? - Perguntei quase com raiva da Miley mesmo sabendo que a culpa não era dela.
- Olha, eu estava tão bêbado quanto você, acha que eu me lembro dos rostos que eu vi ontem? Só estou melhor que você porque me acostumei com a bebida. - Ele disse quase orgulhoso disso.
Minha cabeça ainda girava e latejava com tanta informação. Quem seria o tal cara e o que eu fiz na noite passada? Precisava falar com a Miley e saber se ela lembrava de alguma coisa.
-Hm... você por acaso sabe onde o meu vestido tá? - Perguntei e provavelmente estava ficando vermelha.
- Eu sei, mas não sei se vou pegar pra você, posso ficar aqui olhando você com vergonha o dia todo. - Ele disse com um sorriso torto e idiota no rosto.
- Você não faria isso.
- Me teste.
- Idiota.
- Essa grosseria não vai te trazer um vestido.
- Por favor, idiota.
Ele riu e se virou indo em direção à porta que tinha na lateral esquerda do quarto, um banheiro, e voltou com o meu vestido preto na mão.
- Só porque eu sou um cara legal. - Ele disse piscando pra mim e logo depois saiu do quarto.
Me troquei o mais rápido que pude, passei uma água no rosto - eu estava horrível, cabelo bagunçado, olheiras e maquiagem toda borrada - e coloquei os sapatos, saindo do quarto logo em seguida. Eu provavelmente não tinha notado o quão grande a casa dele era na noite anterior, porque estava lotada de gente. Esse cara, tinha muito dinheiro.
Desci uma escadaria enorme e cheguei no salão que ainda tinha vestígios da noite passada, latinhas e copos jogados no chão, algumas peças de roupa, móveis fora do lugar e algumas coisas quebradas. Chad estava tranquilamente sentado no sofá me observando se aproximar.
- Ah mas você já vai? - Ele disse e fez um biquinho quase fofo.
- Vou tarde isso sim, espero nunca mais passar por uma situação dessa de novo.
- Aposto que você se divertiu mais do que nunca na minha festa, logo vai se lembrar, assim que funciona beber pela primeira vez, daqui a pouco sua memória volta, pelo menos 50% dela. - Ele disse e riu indo até a porta de saída e eu o segui.
- Se eu lembrar que você colocou a mão na minha bunda, volto aqui pra arrancar suas bolas. - Eu disse, e dei um tapinha na cara dele.
- Acho que não é comigo que você tem que se preocupar gatinha. - Ele piscou. - Seu amigo misterioso parecia bem íntimo de você.
Eu provavelmente fiz uma cara de assustada e virei indo em direção ao endereço que eu sabia de traz pra frente: a casa da Miley.